← Conversa Geral

Resposta à Autoridade Tributária

Lida 1504 vezes

Offline

Jose Augusto 
Membro
Mensagens 434 Gostos 0
Feedback +3

Troféus totais: 25
Trófeus: (Ver todos)
Windows User Super Combination Combination Topic Starter Level 5 Level 4 Level 3 Level 2 Level 1 100 Posts

Por certo devem ter recebido o email do fisco. Eis a brilhante resposta de Ricardo Campelo de Magalhães ao e-mail da Autoridade Tributária sobre o Incentivo à exigência de factura:

Citar
Prezada Autoridade Tributária,
 
O teor da primeira carta supra-citada é questionado por muito do que se escreve na Europa.
Nomeadamente, não pedir factura contribui para:

  • Aumentar a riqueza real que Portugal produz (PIB);
  • Diminuir as transferências para o sector não competitivo, numa altura em que a competitividade Portuguesa é essencial;
  • Aumentar a equidade e justiça entre o sector estatal e o privado;
  • Criar condições para uma redução imediata da carga fiscal;
  • Criar melhores condições para que o nosso país possa ultrapassar com rapidez a fase díficil em que se encontra.

Quando exigimos factura contribuímos para:

  • Enriquecer ilicitamente aqueles que distribuem os impostos;
  • Aumentar a receita fiscal, que é um peso de todos os portugueses;
  • Prejudicar com mais impostos os contribuintes.

O seu papel é decisivo. Não exigir fatura não tem custos adicionais. É um direito e um dever de todos os funcionários tributários. E todos ganhamos. Portugal e cada um de nós. Repare:

  • A ideia de que, se eu pagar, outro não vai ter de pagar é falsa. A maximização fiscal é uma prática habitual e se um pagar, o Estado deficitário vai continuar a tentar obter o máximo de todos os outros.
  • O Estado não cria riqueza. Redistribui. O PIB não aumenta. Reduz-se, pois o Estado retira dinheiro de produtivos para o entregar a não-produtivos. Pode justificar isso com motivos sociais, mas não pode negar a matemática envolvida.
  • A fase difícil em que o país se encontra é fruto de o Estado ter demasiados recursos para gerir e deixar demasiado poucos para quem tem a obrigação de produzir e criar empregos. Agravar este desequilíbrio não resolve o problema do país: agrava-o.

Sobre a segunda carta, fico satisfeito de um serviço do Estado ter um horário “como o privado”, mas infelizmente os meus honorários para ser fiscal são um pouco superiores a 250 Euros por ano, como decerto há-de compreender.
 
Se quiser que eu contribua para o enterro definitivo do país, vai mesmo ter de fazer uma proposta melhor.
 
Até lá, subscrevo-me,
 
Ricardo Campelo de Magalhães, Economista

Original: http://oinsurgente.org/2012/11/18/cartas-da-autoridade-tributaria/

 :ideia:
Offline

jof 
Membro
Mensagens 1117 Gostos 35
Feedback +45

Troféus totais: 34
Trófeus: (Ver todos)
Avatar Signature Tenth year Anniversary Level 6 Quick Poster Linux User Mobile User Windows User Super Combination Combination

Genial e deve ser partilhado.
Offline

Jóni Oliveira 
Administrador
Mensagens 3427 Gostos 391
Feedback +28

Troféus totais: 35
Trófeus: (Ver todos)
Tenth year Anniversary Nineth year Anniversary Mobile User Apple User Level 6 Windows User Super Combination Combination Topic Starter 10 Poll Votes

 =D>
Offline

cjseven 
Administrador
Mensagens 1809 Gostos 26
Feedback +3

Troféus totais: 28
Trófeus: (Ver todos)
Super Combination Combination Topic Starter Poll Voter Level 5 Level 4 Level 3 Level 2 Level 1 1000 Posts

:D gostei
Offline

Luís Salvador 
Membro
Mensagens 2068 Gostos 37
Feedback +4

Troféus totais: 28
Trófeus: (Ver todos)
Apple User Super Combination Combination Topic Starter Poll Voter Level 5 Level 4 Level 3 Level 2 Level 1

Offline

swing 
Membro
Mensagens 3121 Gostos 39
Feedback +13

Troféus totais: 32
Trófeus: (Ver todos)
Avatar Level 6 Linux User Mobile User Windows User Super Combination Combination Topic Starter Poll Voter Level 5

Não é mentira nenhuma.. ainda ontem tava com um dentista e defendia o mesmo, e só me passou o recibo pq é obrigado, mas falou-me de casos de ciganos a receber 4 e 5 mil eur mês e que não produzem nada, e os impostos que paga vão para eles.